Tudo o que você precisa saber sobre coaching

Neste artigo, apresentaremos o coaching como um conceito e passaremos por seus princípios para mostrar por que, quando e como um coach pode ajudá-lo a melhorar sua vida. 
Tudo o que você precisa saber sobre coaching

O coaching tornou-se uma parte cada vez mais popular dos modelos de cuidados mistos, tanto como ferramenta de desenvolvimento profissional quanto pessoal.

Existem tantas aplicações para isso que cada uma delas tem seus próprios métodos e características.

Neste artigo, apresentaremos o coaching como um conceito e passaremos por seus princípios para mostrar por que, quando e como um coach pode ajudá-lo a melhorar sua vida. 

Além disso, tentaremos entender melhor como funciona a gestão do coaching e quais são as ferramentas mais recentes disponíveis atualmente.


O que é Coaching?

Coaching é um termo abrangente para vários programas específicos, por isso pode parecer vago para alguém que ainda não experimentou ou não pesquisou o tópico até agora.

Em termos muito simples, o coaching refere-se a uma forma de desenvolvimento – profissional ou pessoal – onde uma pessoa com experiência em um determinado setor treina, orienta e aconselha qualquer pessoa que queira atingir um determinado objetivo ou nível.

No coaching, o foco está no presente e no futuro próximo do trainee, o que o diferencia do treinamento convencional ou do mentoring.

Vamos passar por essas distinções mais adiante no artigo.


Tornando-se um Coach

Para se tornar um coach, alguém precisaria fornecer certa experiência no setor que escolheria ingressar. Na maioria das vezes, um coach é uma pessoa que já alcançou certos objetivos e marcos que mais tarde servirão de base para treinar outros para alcançar o sucesso.

Existem inúmeros tipos de coaching disponíveis para diversos setores.

No entanto, todos eles têm um princípio comum: ensinar o coachee a ir do ponto A ao ponto B em um determinado momento de sua vida profissional ou pessoal.

No coaching, as metas são definidas com clareza e há uma gestão prática do processo, pois busca-se resultados claros e quantificáveis. A gestão do coaching depende de um coach para outro, e as diversas ferramentas utilizadas no processo podem ser gerais ou altamente especializadas.


Gestão de Coaching

A gestão de coaching representa a forma como um coach cria um plano para o seu cliente e traduz as ideias e objetivos iniciais em elementos quantificáveis que podem ser avaliados ao longo do caminho.

Além disso, inclui as ferramentas necessárias para a parte administrativa do processo de coaching, como faturamento, agendamento, acompanhamento de sessões, e também informações detalhadas sobre cada cliente.


Usando a tecnologia para gestão de coaching

Existem muitas soluções de software no mercado para coaches e seus clientes, plataformas de coaching online onde você pode encontrar o coach certo para você e até habilitar o coaching remoto quando necessário.

Essas plataformas e aplicativos podem facilitar o trabalho de um coach e eliminar o tempo gasto na adição manual de relatórios ao plano de coaching, na comunicação com o cliente etc.

Nesse sentido, com o ambiente tecnológico atual e usar ferramentas modernas para o seu trabalho torna-se fundamental para entender seus clientes e oferecer as melhores soluções para eles.

E também contribui para que o cliente tenha certeza que o coaching escolhido de fato é eficiente em lidar com seus próprios negócios e relacionamentos antes de ajudá-lo com o seu.


Ferramentas de avaliação de coaching

Primeiramente, é importante dizer que há uma ampla gama de testes, técnicas de dimensionamento e questionários que podem ser usados para avaliar os pontos fortes do cliente, o progresso, o estabelecimento de metas e a satisfação em relação aos resultados desejados ou para esclarecer seu compromisso no futuro.

Então, colocarei aqui as mais utilizadas e que podem ser eficazes para o trabalho do coach:


1. Escala de Avaliação de Processo (PES: Ianiro, Lehmann-Willenbrock, & Kauffeld, 2014)

O PES é uma ferramenta útil para avaliar o alcance das metas do coachee. Os entrevistados são solicitados a avaliar seu grau atual de realização de metas em uma escala de 1 (nada alcançado) a 10 (totalmente alcançado).

Quando tomados regularmente, por exemplo, no início de cada sessão, os valores médios podem ser calculados em todas as metas definidas para cada cliente. O sucesso do cliente em atingir suas metas individuais pode ser entendido em termos de progresso e alcance de metas gerais.

A Escala de Realização de Metas (GAS) é outra opção que pode ser usada como meio de avaliar dados de resultados de coaching. O GAS permite a medição do alcance de metas qualitativas, incorporando uma medida quantitativa por meio de uma escala Likert de 5 pontos, na qual o alcance de metas é medido de -2 (pior resultado esperado) a +2 (melhor resultado esperado).

Embora o PES e o GAS tenham se mostrado eficazes na avaliação do progresso em direção às metas específicas do programa (MacKay & Lundie, 1998), vale ressaltar que, como muitos instrumentos de autorrelato, essas ferramentas de avaliação são suscetíveis a distorções e vieses, devido às racionalizações de desempenho.


2. O Inventário de Forças VIA (VIA-IS: Peterson & Seligman, 2004)

Desenvolvido como um método para avaliar valores e pontos fortes individuais, o VIA-IS pode ser uma experiência esclarecedora tanto para o cliente quanto para o coach. Seligman & Csikszentmihalyi (2000) afirmaram que muito do melhor trabalho realizado no consultório amplifica os pontos fortes e não os pontos fracos dos clientes.

Linley et al., (2010) exploraram as conexões entre uso de pontos fortes, progresso de metas, necessidades psicológicas e bem-estar. Os resultados deste estudo sugerem que aqueles que utilizaram seus pontos fortes de assinatura fizeram objetivos mais autoconcordantes, mais progresso em direção a seus objetivos e exibiram maior bem-estar geral.

Isso não quer dizer que os valores para os quais um cliente registra uma pontuação baixa devam ser ignorados, mas os resultados mais positivos surgem de intervenções de coaching que buscam promover essas habilidades já em abundância.


3. O Inventário de Competências do Líder (LCI: Kelner, 1993)

O LCI é um método de autorrelato para medir o uso de um indivíduo de quatro dimensões específicas de liderança – busca de informações, pensamento conceitual, orientação estratégica e orientação para o serviço.

Os entrevistados são solicitados a declarar o grau em que demonstraram ou viram vários comportamentos. O LCI pode ser particularmente benéfico em negócios e coaching executivo para aumentar o impacto de um líder para medir, fortalecer e desenvolver habilidades de liderança.


4. O Inventário de Habilidades de Liderança (LSI: Karnes & Chauvin, 1985)

O LSI é uma autoavaliação de 56 itens desenvolvida principalmente para líderes, incentivando-os a avaliar suas próprias habilidades em relação às cinco dimensões da liderança: habilidades de autogestão, habilidades de comunicação interpessoal, habilidades de consultoria para o desenvolvimento de grupos e organizações e habilidades de versatilidade. 

Os clientes são solicitados a responder usando uma escala de 10 pontos que varia de “Esta habilidade é nova para mim” a “Eu posso executar bem a habilidade”. “Eu posso ensinar os outros também.”

O LSI mostrou validade concorrente e de construto e é uma avaliação eficaz das habilidades de liderança (Edmunds, 1998).


5. A Escala de Satisfação com a Vida (SWLS: Diener, Emmons, Larsen e Griffin, 1985)

O SWLS é uma escala de 5 itens projetada para medir julgamentos cognitivos de satisfação com a vida. Os entrevistados indicam o quanto concordam ou discordam de cada afirmação em uma escala de 7 pontos de 1 (discordo totalmente) a 7 (concordo totalmente).

O SWLS é uma medida válida e confiável de satisfação com a vida, adequada para uso em uma ampla gama de faixas etárias e aplicações.

Além disso, a escala de satisfação mostrou sensibilidade suficiente para ser eficaz na detecção de mudanças e no acompanhamento do progresso em termos de satisfação com a vida durante o curso das intervenções de coaching (Pavot, Diener, Colvin, & Sandvik, 1991).

Caso deseje, você pode comparar com as ferramentas utilizadas na mentoria.


Como planejar seu programa de coaching

Hesitação, medo de ser julgado, bloqueios mentais – estou convencido de que essa categoria de barreiras pessoais à criatividade sustentada custou ao mundo mais arte, literatura e inovação do que qualquer outra coisa.

Existe um modelo mental para o processo criativo que ajuda a permanecer persistente e terminar muitos projetos que, de outra forma, eu provavelmente teria abandonado no caminho.

Espero que isso ajude você a superar quaisquer bloqueios iniciais que lhe atinjam ao criar seu programa de treinamento também.


3 exercícios para ajudá-lo a tirar ideias da cabeça e mapeá-las de forma acionável, mais rápido.

Exercício nº 1: “A história do cliente ideal”

Primeiramente, imagine que você acabou de trabalhar com seu cliente ideal e ele obteve o resultado ideal que esperava ao trabalhar com você.

Escreva a história (na forma narrativa) da experiência do seu cliente desde a inscrição até o resultado final. Inclua todos os detalhes ao longo do caminho.

Como eles se sentiram em diferentes estágios?

Que insights eles descobriram? A que percepções eles chegaram?

Imaginar ao máximo a experiência completa do seu cliente e escrever sobre o que ele está sentindo (medo, incerteza, excitação) e esperando em diferentes etapas ao longo do caminho é fundamental para aproveitar ao máximo esse tipo de exercício.

Quando terminar, volte e destaque todos os “momentos a ha” e as principais realizações que seu cliente descobriu ao longo do caminho.

Esses marcos destacados geralmente são ótimos pontos para “destacar” ao conversar com clientes em potencial ou apresentar em seu site ou em outros materiais promocionais.

Isso também lhe dá uma compreensão clara de uma jornada ideal do cliente e você pode até começar a ver um pedido se formando sobre como o conteúdo do seu programa pode ser mapeado.

Mas você ainda não chegou lá, o próximo exercício é garantir que você tenha tudo mapeado na ordem certa e não pule nenhuma etapa ao longo do caminho.


Exercício #2: “Trabalhando para trás”

Este exercício é exatamente o que parece

A partir do resultado ideal do seu cliente – ou seja, o resultado que ele deseja alcançar ao trabalhar com você – agora vamos trabalhar de trás para frente, passo a passo. Assim, vamos identificar cada marco crítico que um cliente precisa alcançar para chegar a esse resultado.

Depois que o resultado desejado for escrito, você começará se perguntando repetidamente a mesma pergunta e preenchendo as respostas até traçar todos os marcos ao longo do caminho: “Para chegar lá, meu cliente deve primeiro …” assim…

Este exercício foi desenvolvido para garantir que seu programa não pule nenhuma etapa ao longo do caminho.

Depois de identificar todos os mini-marcos ao longo da jornada, você pode criar seu conteúdo específico e etapas do programa para ajudar a orientar seus clientes a alcançar cada um deles.

Um aviso – pode ser muito difícil pensar para trás passo a passo como este, então não se apresse.

Mas tudo bem, porque É EXATAMENTE O QUE ESTE EXERCÍCIO É PROJETADO PARA FORÇAR VOCÊ A FAZER!

Preencha todas as lacunas e o roteiro para o seu programa terá tomado forma diante de seus olhos.


Exercício #3: “Inversão (falha premortem de James Clear)”

Finalmente, vamos pontilhar nossos I’s e cruzar nossos T’s como um último exercício.

Enquanto no Exercício 1 imaginamos o cliente ideal e a jornada ideal, neste exercício queremos imaginar exatamente o oposto para nos ajudar a identificar onde as coisas podem sair dos trilhos.

Isso ajudará a criar um plano para mitigar proativamente as ameaças ao sucesso do cliente e criar um programa mais à prova de balas.

Aqui está o que estamos fazendo…

Imagine que você acabou de trabalhar com um cliente que não teve sucesso em seu programa. Descreva em detalhes o que deu errado que os levou a perder o rumo e/ou não obter o resultado desejado.

O que pode ter acontecido em suas vidas para tornar a permanência na pista mais desafiadora para eles?

Como eles podem estar se sentindo em vários pontos que contribuíram para que eles ficassem aquém?

O conceito de fazer um “Failure Premortem” vem do livro de James Clear Atomic Habits.

Nós o adaptamos para o planejamento do programa porque oferece as ferramentas para responder com confiança. Quando você começa a encontrar desafios para manter os clientes engajados e no caminho certo.
Em suma, aqui quis apresentar tudo mesmo o que você precisa saber sobre coaching e como pôr ele em prática. E mais ainda, deixar mais claro ainda as diferenças com a mentoria.

Post Recentes